Arquivo da categoria: Loja

Visibilidade e Respeitabilidade

Untitled-1

 
Visibilidade e Respeitabilidade: Memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968), de Maria Aparecida Pinto Silva, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, discute o racismo em São Paulo, Brasil

 

No início da década de 1950 a UNESCO encomendou a um grupo de cientistas sociais brasileiros um conjunto de pesquisas que abordassem as relações raciais no Brasil, vistas pelo mundo como harmônicas e democráticas. A conclusão desse estudo, porém, revelou exatamente o contrário, evidenciando uma sociedade racista que perpetuava a invisibilidade e marginalização do negro.

Esta obra de Maria Aparecida Pinto Silva, a partir de sua dissertação de mestrado apresentada há 23 anos na PUC de São Paulo, traz à luz essa cruel realidade, desvendando não só o contínuo processo de exclusão do negro, mas também sua resistência e luta para conquistar seu espaço na sociedade, impondo sua visibilidade e respeitabilidade, particularmente na cidade de São Paulo.

A autora nos faz viajar nessa jornada através das memórias de um grupo de interlocutores negros, memórias que se cruzam, formam uma identidade étnica e os legitima como sujeitos de sua própria história, uma história que nos remete à abolição, passando posteriormente para a fundação de ordens religiosas que acabaram originando associações negras, uma imprensa combativa –em especial na década de 1930-, e espaços de cultura e lazer, onde se agregavam e davam uma resposta ao racismo, afirmando-se como um grupo que se fazia visível na mensagem que passava para a sociedade: existimos, temos dignidade e somos respeitáveis.

Conforme declara a autora, “Tenho um carinho muito especial por essa pesquisa que diz muito sobre minha própria trajetória: meus pais, tios e avós foram protagonistas na luta dos negros paulistanos pela sobrevivência material, pela dignidade e espiritualidade. Meu avô foi secretário na Igreja do Rosário por 30 anos, meu pai era da Associação Cultural do Negro, meu tio um dos fundadores do Aristocrata, meu tio avô era do KWY e seus amigos do Royal… a lista não termina…”

Hoje o debate sobre a questão racial é urgente, é pauta de todos os meios de comunicação. A leitura deste trabalho se torna extremamente pertinente, já que vivemos um momento histórico no qual, mais do que nunca, os negros se rebelam contra o racismo e se colocam como protagonistas e narradores de sua história, comumente contada pelo branco.

 

SOBRE A AUTORA
Maria Aparecida Pinto Silva é graduada em Ciências Sociais e especialista em Antropologia pela UNICAMP. Tem o mestrado e o doutorado pela PUC de São Paulo. É professora universitária desde 1988 e professora aposentada da rede pública do Estado de São Paulo. Seus estudos desde a graduação foram pautados pela questão étnica: estudou o baile negro Chic Show, as Associações Culturais e Recreativas de São Paulo e por último na academia desenvolveu a tese sobre o jornal “A Voz da Raça”, da Frente Negra Brasileira. Atualmente dedica-se ao estudo do continente africano.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Visibilidade e Respeitabilidade: Memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968)
Autor: Maria Aparecida Pinto Silva
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Prosa, Poesia
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 144
ISBN: 978-65-86867-04-6
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/visibilidade-e-respeitabilidade

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são incríveis! A gente ama!
www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira
faleaquarela@gmail.com

Apneia

Untitled-1

Apneia”, de Márcia Leão, novo título da Aquarela Brasileira Livros, revela a sensibilidade de uma voz poética feminina

 

Para Freud, o EU é construído na relação com o outro. É no mergulho no mar caudaloso do outro que eu teço minhas teias de identificação, repulsa, desejo, entrega ou distanciamento. Para ele, a própria pulsão instintiva que orienta o indivíduo para o amor é uma maneira de realização natural do ser ao encontrar compatibilidade no outro. Ao amar, desejamos ver no outro o reflexo do nosso amor e merecê-lo, por ser ele igual ou melhor do que nosso amor, um modo de amar mais perfeito que o nosso, nosso ideal, nosso próprio eu!

Encontrar o outro pressupõe, portanto, um rasgo de coragem justamente porque no caminho estão aqueles sentimentos todos que vão sendo recolhidos ao longo da trajetória e que, somados, gritam em nosso interior: esse que lhe sorri, dá as costas, abraça, conversa, emudece, aponta, olha ou desvia o olhar, tece intrigas ou se revela inteiro, esse que lhe seduz ou apavora, lhe faz suspirar ou perder o fôlego… na verdade tem muito de você, revelado nesse espelho de carne, vísceras, paixão e espanto!

Márcia Leão, esta menina pós-cinquenta, pode ter morrido de medo do percurso. Mas entre apneias, insônias, madrugadas e cálices de vinho, conseguiu revelar estes encontros. Seu texto é esse pé na porta de quem ficou por muito tempo com o quarto sob segredo, as gavetas arrumadas, as cortinas cerradas, mas com uma latência que gritava por revirar tudo e se apresentar. Lá dentro, em alguns momentos lânguida de sedução, em outros raivosa de repulsa pelo acanhamento daqueles que teimam em não serem inteiros, a leoa postou-se inteira, entregue, pronta para quem a quisesse ler, sentir, tocar.

Cada linha aqui revelada trata de encontros. O encontro da mulher com o amor, com a paixão, com o carinho, com os cheiros do tesão impregnados na parede. Não há nenhum falso pudor em assumir-se um caldeirão de antagonismos, paradoxos, antíteses, incoerências. Nestes traçados poéticos, há o cheiro da campina, o odor suave das crianças que correm pela sala, o aroma tépido das recordações que descem as escadas do sótão para se materializarem sob o olhar da mãe amorosa ou da filha saudosa. Mas há, também, e muito, o ar impregnado da volúpia do desejo, da carne, do verbo que quer se fazer explosão de confissão.

Há uma provocação explícita desde o título. Apneia é aquilo que normalmente aquele que possui não vê, mas sente no corpo as dores e as angústias de ter no peito. Apneia tira o sono, impõe vigília – a do que respira e a daqueles que tentam dormir, em volta. É angustiante, exaustiva, e muitas vezes o sentimento é de querer livrar-se, “curar-se”. Márcia entrega-se, inteira, nestes versos e prosas. Mas isso tem um preço. A cumplicidade de quem a ver, revelada, desperta sobressaltos, vigília.

Este livro é, antes de tudo, esta catarse libertadora por parte de sua autora. Catarse, em seu sentimento aristotélico mais genuíno: pela emoção arrebatadora, uma purificação de almas. A mulher, mãe, amante, filha, amiga está lhe entregando um convite: vem perder o fôlego comigo!

Segundo Ney Mourão aponta no prefácio, “Se você aceitar o convite, irá fundo, tão fundo a ponto de também perder o ar, como ela expressa logo no primeiro poema. Mas será que viver a vida inteira sem estas apneias reveladoras vale a pena, de fato? Poema guardado na gaveta, ela nos diz, é coisa triste de se ver, sem asas, sem jornada, sem acenos para janelas que ficam. Gente sem suspiros, sem engasgos, sem noites perdidas de sono porque o amor não veio ou se foi, esta mulher alada, feita de sonhos, não quer mesmo por perto. Márcia quer mesmo é encontro de singularidades, pé na porta e segredos esparramados sobre a colcha como presentes em dia de aniversário.”

É muito bom que haja autoras corajosas, que se entregam em poesia, prosa, em tempos tão sombrios. Tempos onde encontrar e encontrar-se é algo tão frágil quanto minutos de sono sob apneias em uma noite de insônia. É bom que Márcia Leão, ao descobrir-se, também tenha tido a generosidade e bondade de se revelar. Ousadia e coragem de quem não tem medo de ser chamada de louca, sonhadora, inconsequente. De quem escreve, sem meias-palavras, que está e sempre estará em outro rebanho.

O poeta Chico, brasileiro, homem, que tão bem desvendou a alma feminina, um dia desejou não dormir, até que se consumasse um tempo dele e da amante, e dizia de um tempo de delicadezas, de silêncios, e de encantamentos que só a eternidade pode trazer. Se você mergulhar, de fato, neste encontro que Márcia aqui propõe, talvez consiga viver um momento semelhante à letra desta canção.

Na opinião de Roberto de Freitas, “A escrita poética de Márcia é sentida! É daquelas que quando escreve deixa sulcos nas folhas de trás. É assim porque vem carregada de vida e de experiências. E, ao mesmo tempo, é leve como quem já viveu e sabe no corpo o seu fim. É alegre e também triste, como aquele olhar brilhando que acompanha o horizonte até se pôr.Vejo aí Márcia Menina e Márcia Mulher, brincando de se esconder uma dentro da outra. E viva essa poesia feminina e afetuosa como quem carrega no colo as palavras mais lindas!!!”

Prepare-se que Apneia é isto: onde a respiração para e volta diversas vezes.” Vai lá! Perca o sono por hoje. Perca o fôlego. Mas encontre lirismo para manter a alma desperta, que disso qualquer ser que respira quer mais é se afogar, com vontade!

 

SOBRE A AUTORA
Márcia Leão é poeta e assistente social, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais. Sempre gostou de escrever, mas, só agora, aos sessenta anos, criou coragem de mostrar seus textos, tirar a roupaem público. Quando escreve, é como se estivesse conversando com seu confidente. Mostra-me inteira. Talvez por isso a hesitação de tornar público. Nesta obra coloca suas verdades, seus sonhos, seus devaneios… Esses poemas falam do vivido, do sonhado, do esperado. O sonho hoje é que encontrem eco na poesia que mora em cada um.É que despertem outros sonhadores permitindo-lhes belos voos.

DADOS DO LIVRO
Título: Apneia
Autor: Márcia Leão
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Poesia
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 148
ISBN: 978-65-86867-02-2
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/apneia
Encomendas: marcialeao@ymail.com
 

 Aquarela Brasileira Livros
Livros são Incríveis! A gente ama!
www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira
faleaquarela@gmail.com

Coimbra tem encantos_Coimbra em imagens

Coimbra tem mais encantos na hora da despedida…

E também na chegada!

 Coimbra em imagens_capa

 

Um livro para ver e lembrar Coimbra

Peça pelo e-mail faleaquarela@gmail.com e receba em casa

www.aquarelabrasileira.com.br/coimbra-em-imagens

Coimbra tem encantos_Coimbra em palavras

Coimbra tem encantos na hora da despedida…

E também na chegada!

Coimbra em palavras_Capa 3D frente

Um livro para ler e lembrar Coimbra

Peça pelo e-mail faleaquarela@gmail.com e receba em casa

www.aquarelabrasileira.com.br/coimbra-em-palavras

 

Livros na FNAC

E chegámos à FNAC!

Os romances Origem e Ruína – lançado no Brasil com apoio da DGLAB – e Peregrinação Crioula – selecionado para o Prêmio Oceanos 2020 -, de autoria do escritor português de origem angolana, Paulo Branco Lima, já se encontram à venda na FNAC do Fórum de Coimbra, ficando disponíveis também, por encomenda, nas restantes lojas FNAC de Portugal.

São ótimas companhias de verão! E para toda hora de leitura!

Datas de apresentação nestes espaços a anunciar brevemente!

Você também pode encomendar estes e outros títulos da Aquarela Brasileira Livros pelo e-mail faleaquarela@gmail.com , que enviamos os livros para sua casa ou outra morada.

Livros Lima_FNAC_20200723_reduzido

Fnac_Portugal

Os Segundos Nomes

Capa_Os segundos nomes

Os segundos nomes, novo título da Aquarela Brasileira Livros que chega ao mercado de Portugal, é um romance surpreendente em todo e cada detalhe, elaborado com invenção por um escritor com vozes próprias

Prepare-se para conhecer uma figura ímpar: Toni é crítico d’Artes, mas não um crítico normal, dentro do sentido específico. Sua crítica é geral; tenta abranger todas as formas de Arte. Justifica esta ambição crendo na sua simplicidade; as suas palavras a este respeito defendem que “não é necessário saber a fundo algumas matérias quando se conseguem Sentir Fragmentos de todas elas…” Além disso, é essa ocupação que lhe financia os vícios e paga as contas, como a qualquer comum dos Iguais. Toni sente-se veramente um pedagogo artístico, porém a sua crítica não disfruta de grandes créditos. Os seus detractores dizem que o seu criticismo positivo é um processo anti-pedagógico. Toni Entende o Contrário.

Inventivo e original, Os segundos nomes notabiliza-se por Uma narrativa singular e anarca Que aborda a pluralidade dos sentidos. Os personagens desdobram-se Indefinidamente em heterónimos E sub-heterónimos, que por sua voz Derivam para vários pseudo-alter-egos Através duma ramificação infinita. Toni, o personagem essencial desta comédia romântica surreal É assolado por um Padrão de Sofrimentos Energias artísticas Que ciclicamente se transformam Num problema sentimental Cujos destinos se entrelaçam: As suas Musas, as suas Artes: As suas Ilusões.

Neste livro, cada palavra é pensada e valorizada. A escrita rica em alegorias revela um autor ousado e espiritualizado, que sabe que seu caminho na arte é se misturar às estrelas, como pontos de luz de múltiplas alcunhas. Chama a atenção também diversas imagens entre o texto, idealizadas em colaboração com o artista português Alexandre Esgaio e a ilustradora japonesa Mika. Na capa é reproduzida uma obra do artista gráfico português Pedro Góis.

Respire fundo e entre na história, que no teatro do mundo todos somos personagens e eternos aprendizes.

Esta edição, apresentada primeiramente no Brasil, contou com o apoio da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, do Ministério da Cultura de Portugal.

No Brasil, a reedição de Os Segundos Nomes já foi apresentada na cidade de São Paulo na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, no dia 10 de dezembro de 2019, com a presença do autor Hélder Grau Santos (PT), com intervenções de Wagner Merije (BR-PT), José Santos (BR), Carlos Seabra (PT), entre outros escritores, escritoras e convidados presentes; e também no projeto O Autor na Praça – Espaço Plínio Marcos, no bairro de Pinheiros, celebrando as literaturas de Portugal e Brasil, em 14 de Dezembro de 2019, com as intervenções de Hélder Grau Santos (PT), Wagner Merije (BR-PT), Edson Lima (BR), Paulo Rafael (BR), entre outros escritores, músicos e convidados presentes. Em 17 de Dezembro de 2019 teve lugar uma apresentação em Belo Horizonte, na Livraria do Belas, com presença do autor Hélder Grau Santos, intervenções de Ana Elisa Ribeiro (BR), Wagner Merije, Rômulo Garcias (BR), com participação especial do Cônsul de Portugal, Dr. Rui Almeida.

Em Portugal para breve serão anunciados datas de apresentações.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Os Segundos Nomes
Autor: Anthony Clown
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 218
ISBN: 978-85-92552-21-3
Depósito legal: 463192/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/os-segundos-nomes
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

SOBRE O AUTOR

Foto: Wagner Merije
Foto: Wagner Merije

 

Anthony Clown não existe, literalmente, mas coexiste com os sonhos e com alguns subentendimentos. Hélder Santos, criador deste e outros heterónimos, como Grau, Poeta G, O Urso e Asa de Borboleta, é escritor, poeta, músico e professor, nascido em Coimbra, Portugal. Autor dos livros de poesia Aparato Nulo (edição de Autor, 1998), Agora que chegaste, volume 1 (Edições Caixa de Sapatos, 2003), Agora que chegaste, volume 2 (Edições Caixa de Sapatos, 2004), Outra Distância (Edição Baú dos Sonhos, 2008); participação na antologia Coimbra em Palavras (Aquarela Brasileira Livros, 2018). Autor e co-autor dos textos para teatro: A Louquíssima Trindade (2002), L’Énfant Possible (2005), Pedra Preciosa I e II (2010-2013), O Sótão (2017). Na área musical apresentou os seguintes álbuns The Grau – Mui Solo (coletânea 1995-2015. Edições Pirata), The Grau!!! – Co-Existências (Edições Pirataº, 1999-2005), The Grauº – 13 (Edições Theº, 2013).

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são Incríveis! A gente ama!

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira

Origem e Ruína

Origem e ruína_capa 3dOrigem e Ruína, de Paulo Branco Lima, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, é um romance ambientado em Angola, Portugal e Venezuela

O ponto de vista original da história de Origem e Ruína centra-se nas peripécias de uma paixão vivida entre um angolano aventureiro e uma mulher-polícia portuguesa, relacionamento que é elevado à potência de cosmogonia pela arte de Paulo Branco Lima.

Começando em Angola, passando pelo drama dos retornados em Portugal e culminando num retrato minucioso da emigração lusófona na Venezuela, o autor, através de uma narrativa de raiz cíclica e de uma recriação do mito camoniano de Adamastor, conduz-nos numa viagem metafísica onde o poder de imaginação é o grande carburante. Nesta senda, e através de uma abordagem psico-social ainda pouco explorada pela literatura portuguesa, a leitura de Origem e Ruína projeta-se para paralelismos totalmente inesperados, num cruzamento brilhante entre realismo e dimensões cósmicas de beleza desconhecida. O resultado é um livro de imagens fortes e ritmo narrativo galopante, um autêntico “page turner”, sugerindo uma adaptação cinematográfica com toda a naturalidade .

Nas palavras do prefaciador Abílio Hernandez, “Paulo Branco Lima percorre os labirintos da memória e do passado para que no final da errância se possa produzir o equilíbrio e a catarse. Desta errância, não é só o itinerário que nos é oferecido, é também o retrato dos itinerantes, dos que vagueiam, isto é, dos que erram, perseguindo a felicidade. Um peregrinar tão longo faz do tempo o inimigo do peregrino, que não precisa de relógio para o medir”.

Como também destaca o tradutor Mário Gomes, doutorado em Teoria da Literatura pelas universidades de Bona e Florença, e professor visitante e leitor do DAAD (Serviço de Intercâmbio Académico Alemão) na Universidade de Concepción (Chile), “assim que tive Origem e Ruína em mãos, li-o de rajada. E concluí, com toda a objetividade do mundo, que tinha acabado de ler uma das propostas mais interessantes da literatura portuguesa: um romance a meio caminho entre o cut-up e a loucura, em que se entretecia a origem de tudo (e «tudo» neste caso é sinónimo de «Universo») com o quase-nada familiar: o macro mais macro com o micro mais micro. Explosões cósmicas, básculas de pesar camiões na Venezuela, bairros residenciais de Coimbra, tudo à mesma escala”.

A presente edição de Origem e Ruína, que foi primeiramente publicado em Portugal no ano de 2013, para seu lançamento no Brasil contou com o apoio da DGLAB – Direcão-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas.

Esta é uma oportunidade nova para os leitores conhecerem a obra de estreia de Paulo Branco Lima, que virou referência no âmbito das relações literárias entre África, América do Sul e Portugal. A reedição de Origem e Ruína conta com prefácio de Abílio Hernandez, docente de História e Estética do Cinema da Universidade de Coimbra, além de uma revisão atualizada e grafismo inovador. Trata-se de uma edição cuidada, consequência da estreita colaboração entre o escritor e a Aquarela Brasileira Livros, que abraçou esta aposta editorial, igualmente disponível no mercado português.

No Brasil, a reedição de Origem e Ruína já foi apresentada na Casa de Portugal, em São Paulo, no dia 10 de dezembro de 2019, com intervenções de José Santos (BR), Wagner Merije (BR-PT), Carlos Seabra (PT) e Hélder Grau Santos (PT), entre outros escritores e escritoras e convidados presentes. Em 17 de Dezembro de 2019 teve lugar uma apresentação em Belo Horizonte, na Livraria do Belas, com apresentação de Ana Elisa Ribeiro (BR), Wagner Merije, Rômulo Garcias (BR), Hélder Grau Santos, com participação especial do Cônsul de Portugal, Dr. Rui Almeida.

Em Portugal para breve serão anunciados datas de apresentações.

 

SOBRE O AUTOR
Paulo Branco Lima é escritor, ator, performer, investigador literário e produtor cultural. Licenciado em Jornalismo e Mestre em Literatura de Língua Portuguesa pela Universidade de Coimbra, recentemente publicou os romances Peregrinação Crioula (Aquarela Brasileira Livros, 2019) – selecionado para o Prêmio Oceanos 2020 – e a segunda edição de Origem e Ruína (Aquarela Brasileira Livros, 2019). Enquanto autor, fomenta alicerces nas obras de William Faulkner, Camilo Castelo Branco, Pepetela, Vitorino Nemésio e Guimarães Rosa. Membro do Centro de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, é colaborador regular da Revista de Estudos Literários e das publicações angolanas O Chá e Jornal Cultura. O seu trabalho foi destacado por vários veículos de comunicação em Portugal e África. Saiba mais em RTP África Mar de Letras https://www.youtube.com/watch?v=4xh8XFspE1U&t=20s e também em https://www.youtube.com/watch?v=YN6Q9WVdG8w Na atualidade exerce funções de produtor executivo no equipamento cultural Convento São Francisco, em Coimbra.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Origem e Ruína
Autor: Paulo Branco Lima
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 140
ISBN: 978-85-92552-12-1
DL: 460652/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/origem-e-ruina
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

Conheça nosso catálogo em www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

Paulo_Branco_Lima 1 ©Miguel Von Driburg
Paulo_Branco_Lima 1 ©Miguel Von Driburg

AQUARELA BRASILEIRA LIVROS NO PRÊMIO OCEANOS 2020

HISTÓRIAS QUE CRUZAM OCEANOS

CAPA_PEREGRINACAO_FINALcapa_O garoto regulus_3d_finalPsyché e Hamlet_capa3d

A Aquarela Brasileira Livros conta com três obras entre as concorrentes ao Prêmio Oceanos 2020 e isto para nós é motivo de muito orgulho.

Que as estrelas e a sorte brilhem para nossos autores Paulo Branco Lima (Portugal), Paulo Rafael (Brasil) e Wagner Merije (Brasil/Portugal).

https://www.itaucultural.org.br/oceanos/2020/concorrentes-juri-2020

Fica aqui o convite para vocês conhecerem estes trabalhos tão bonitos, em todos os sentidos, e que nos enchem de orgulho.

 www.aquarelabrasileira.com.br/peregrinacao-crioula

www.aquarelabrasileira.com.br/o-garoto-regulus-freireando-a-vida

www.aquarelabrasileira.com.br/psyche-e-hamlet-vao-para-hodiohill

 

Aproveitem e encomendem pelo e-mail faleaquarela@gmail.com que enviamos os livros para sua casa, com alegria e sem vírus.

Vamos juntos celebrar a literatura.

Livros são excelentes antídotos e presentes.

Paulo Freire em Coimbra

“O garoto Regulus: Freireando a vida”, de Paulo Rafael, em Coimbra, Portugal
“A história de Paulo Freire é uma saga. Paulo Rafael, educador, historiador e escritor, de forma lúdica nos convida a conhecer um pouco mais da trajetória do grande educador brasileiro, da infância ao exílio. É uma história que passa por caminhos tortuosos, mas que os aprendizados e a esperança na vida superaram todos os obstáculos. Em sua travessia, o garoto batizado com nome de rei, transformou a si próprio, a todos em volta e nos apresentou uma forma de educar.”
Aquarela Brasileira Livros
capa_O garoto regulus_3d_final
Aproveitando a estadia do autor em Portugal, A Escola da Noite acolhe no Bar/Livraria do TCSB, a  11 de Fevereiro, a apresentação do livro “O garoto Regulus: Freireando a vida”, editado pela Aquarela Brasileira Livros (São Paulo) em Agosto de 2019.
O texto é uma ficção que percorre, pelos olhos de uma criança, parte da trajectória do pedagogo e filósofo brasileiro Paulo Freire (1921-1997).
Nascido pobre e desde cedo órfão de pai, o menino Regulus viaja pela América do Sul, pelos países onde Paulo Freire esteve exilado (Bolívia, Chile), mas também pelo Uruguai e pela Argentina.
Ao longo da viagem, vai encontrando parceiros: Ariano (Suassuna), Manoel (de Barros), Eduardo (Galeano), Solano Trindade, entre outros.
Os relatos destes encontros e os diálogos interculturais proporcionados pela viagem lembram-nos a actualidade do pensamento de Paulo Freire e convidam-nos a reflectir sobre a conjuntura social e política que marca os nossos dias, na América Latina e noutras zonas do Mundo.
Para além do texto original, o livro agora apresentado inclui o guião da adaptação teatral feita pela actriz Paula Cortezia, xilogravuras de Lonko Valparaiso (chileno de origem Mapuchi), ilustrações de Romildo Ibeji e da criança Luna Manoela, posfácio do poeta e cordelista pernambucano Esio Rafael, prefácio do professor de história Ricardo Yuzo Nakanishi e apresentação de Lutgardes Costa Freire, filho de Paulo Freire.
A apresentação em Coimbra, com entrada livre e a presença de Paulo Rafael, é uma oportunidade para a troca de impressões e a partilha de experiências entre todas as pessoas que se interessam pelos temas da arte, da educação e das ligações entre elas.

Paulo Rafael_Foto_Junior Santos
Paulo Rafael_Foto_Junior Santos
Paulo Rafael
Educador, historiador e escritor nascido em São Paulo, Brasil, Paulo Rafael é autor dos livros “Almas da liberdade” (em parceria com Romildo Ibeji e Stiãojs), “O Mundo cá tem fronteira: Uma Aventura Brasil – Cabo Verde”, entre outros trabalhos. Trabalhou como educador na Secretaria de Estado da Criança, na Rádio Heliópolis e no Instituto Cabo-Verdiano de Menores, em Cabo Verde. Fez investigação para os documentários ‘Ermelino é Luz’ e ‘Um dia de Samba’, de Pedro Dantas.

APRESENTAÇÃO DE LIVRO | CONVERSA
O Garoto Regulus: Freireando a vida
de Paulo Rafael (São Paulo, Brasil)
conversa com o autor mediada por Wagner Merije
11 de Fevereiro de 2020
terça-feira, 18h30
Bar/Livraria do TCSB
entrada gratuita

Clepsidra_Camilo Pessanha

Capa_Clepsidra_Camilo Pessanha

DADOS DO LIVRO
Título: Clepsidra
Autor: Camilo Pessanha
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Poesia
Formato: 13,5 x 17,5 cm
Número de páginas: 88
ISBN: 978-65-86867-01-5
Depósito legal: 470741/20
Web: : www.aquarelabrasileira.com.br/clepsidra_camilo-pessanha
Encomendas: : faleaquarela@gmail.com

Edição apoiada pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (Ministério da Cultura de Portugal)