Peregrinação Crioula

 

CAPA_PEREGRINACAO_FINAL

Peregrinação Crioula”, uma viagem a Cabo Verde marcada pelo processo de autodescoberta e confronto de identidades

 

O veleiro, os marinheiros, as paisagens, os habitantes de cada porto, tudo se torna parte de uma grande aventura para Paulo Branco Lima, escritor português de origem angolana, que apresenta seu segundo romance, Peregrinação Crioula.

Uma viagem pelo mar tem muitas dimensões, perigos e revelações. Pelo caminho permeiam mistérios e monstros que vão além da imaginação, revelando muito da vida de quem se lança por sobre as águas. Assim, ao balanço das ondas salgadas, durante uma jornada ao arquipélago de Cabo Verde, os leitores são convidados a atravessarem o horizonte onírico do tempo.

À medida que os episódios avançam, a narrativa desdobra-se num olhar pós-moderno sobre Peregrinação, a obra magna de Fernão Mendes Pinto. Publicada em 1614, trinta e um anos após a morte do autor, é tida como o livro de viagens da literatura portuguesa mais traduzido e famoso em todo o mundo.

Resultando de uma longa pesquisa sobre o conceito de navegação atlântica, o processo de escrita de Peregrinação Crioula tornou-se num projeto de vida com mais de vinte anos de recolha empírica e destilação em matéria criativa. Funcionando como jogo intertextual, recuperam-se várias personagens da obra quinhentista, colocando-as a bordo de um navio-escola de traços contemporâneos. Reconfiguram-se, de igual modo, numa estreita convivência entre a Língua Portuguesa e o Crioulo cabo-verdiano, fragmentos cruciais como a entrega da espingarda no Japão, os demónios de Pocasser ou a ilha de Calempluy.

Nas palavras de Abílio Hernandez, docente de História e Estética do Cinema da Universidade de Coimbra, “Paulo Branco Lima percorre os labirintos da memória e do passado para que no final da errância se possa produzir o equilíbrio e a catarse. Desta errância, não é só o itinerário que nos é oferecido, é também o retrato dos itinerantes, dos que vagueiam, isto é, dos que erram, perseguindo a felicidade”.

Para Pires Laranjeira, especialista em Literaturas e Culturas Africanas, docente da área disciplinar de Literaturas e Culturas Africanas de Língua Portuguesa da FLUC, trata-se de “um livro de escrita comedida, metódica, visual, que descreve com minúcia e empolga pela força da palavra diretamente testemunhal, mas cruzada com a matriz renascentista: marinheiros-aprendizes, rotinas apertadas, trabalhos e dias duros, espaços e sujeitos enclausurados num oceano de espantos e águas abertas, à descoberta de si. Como em Mendes Pinto ou no romance reportagem norte-americano, a aventura na simplicidade das vidas jovens, na riqueza da narrativa de formação. Um encontro com o mundo novo das ilhas crioulas, numa poética da relação, como dizia Glissant.”

Como destaca Mário Gomes, doutorado em Teoria da Literatura pelas universidades de Bona e Florença, onde deu aulas, e professor visitante e leitor do DAAD (Serviço de Intercâmbio Académico Alemão) na Universidade de Concepción (Chile), “estamos perante um autor que na gíria literária se apelidaria de náutico: um autor de navios-escola e marinharia, mas sobretudo um artista da submersão literária. Sei de poucas pessoas – assim de repente lembro-me de um ou dois casos – que vivam tão submersas na literatura como o Lima.”

Peregrinação Crioula já tem datas de lançamentos em várias cidades, a começar por Lisboa, no dia 11 de junho, pelas 18h00, na Livraria Ler Devagar (LX Factory – Rua Rodrigues Faria, 103 – Ed. G – 0.3). O romance será apresentado pelo escritor e tradutor Mário Gomes, cujo recente trabalho de conversão para Língua Portuguesa do autor germânico Arno Schmidt (até então inédito em Portugal) e da sua obra Leviatã ou O Melhor dos Mundos seguido de Espelhos Negros, recebeu o elogio da crítica especializada. Os atores Miguel Sopas e Ricardo Vaz Trindade lerão fragmentos do romance .

Em Coimbra, a sessão de lançamento decorrerá na Casa da Escrita a 14 de junho, pelas 18h00, e será apresentada por Pires Laranjeira,  autor de várias obras de referência na especialidade de Literaturas Africanas, entre as quais A Negritude Africana de Língua Portuguesa (1995), Ensaios Afro-Literários (2005) ou 5 Povos 5 Nações (2007).

 

Paulo Branco Lima_1_Foto_Miguel Von Driburg
Foto: Miguel Von Driburg

 

Paulo Branco Lima é escritor, ator, performer, investigador literário e produtor cultural. Licenciado em Jornalismo e Mestre em Literatura de Língua Portuguesa pela Universidade de Coimbra, em 2013 publicou o romance Origem e Ruína na chancela Chiado Editora. Enquanto autor, fomenta alicerces nas obras de William Faulkner, Camilo Castelo Branco, Pepetela, Vitorino Nemésio e Guimarães Rosa. Membro do Centro de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, é colaborador regular da Revista de Estudos Literários e das publicações angolanas O Chá e Jornal Cultura. O seu trabalho foi destacado por vários veículos de comunicação em Portugal e África. Saiba mais em RTP África Mar de Letras https://www.youtube.com/watch?v=4xh8XFspE1U&t=20s   e também em https://www.youtube.com/watch?v=YN6Q9WVdG8w

 

DADOS DO LIVRO
Título: Peregrinação Crioula
Autor: Paulo Branco Lima
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 172
ISBN: 978-85-92552-12-1
Depósito legal: 455407/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/peregrinacao-crioula
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


dois + 8 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>