Arquivo da tag: celso borges

VAMOS CONVERSAR com Celso Borges

Feed_vamos Conversar

VAMOS CONVERSAR é uma série de conversas com personalidades da literatura

No dia 13 de outubro de 2022 o Centro Cultural Penedo da Saudade, do Instituto Politécnico de Coimbra, dá prosseguimento ao projeto Vamos Conversar, um ciclo de conversas e debates com personalidades da literatura.
O convidado de outubro é Celso Borges, poeta, jornalista e letrista musical.
O projeto visa estimular reflexões sobre a cultura e a educação, dar ao público oportunidade de conhecer a obra e o pensamento de grandes escritores, e que o debate gere conhecimento e transformação.
Já participaram como convidados os escritores Onésimo Teotónio Almeida, Richard Zimler, António Carlos Cortez, Raquel Ochoa, Joana Bértholo, Maria João Cantinho, Elisa Lucinda, Alice Ruiz, Rosa Oliveira, Minês Castanheira, Carlos Nuno Granja, Ana Ventura, Aurelino Costa, Carlos Seabra e Vicente Paulino.
Trata-se de uma realização do Centro Cultural Penedo da Saudade e co-organização da Aquarela Brasileira Multimedia, com mediação de Wagner Merije.

Vamos Conversar – Literatura, Música e Travessias: Uma conversa com Celso Borges
Dia: 13 outubro de 2022 – Quinta-feira – Hora: 18:00 (Hora de Lisboa) / 14:00 (Hora de Brasília)

Com transmissão em directo para todo o mundo pelo facebook do Centro Cultural Penedo da Saudade: www.facebook.com/centroculturalpenedosaudade

Pode participar no Zoom através do link http://bit.ly/3DJdKK3 com o ID da reunião 992 9308 0772 e Senha de acesso 995253

Sobre o convidado
Celso Borges é poeta, jornalista e letrista musical.
Tem 11 livros publicados, entre eles NRA (1996), XXI (2000), Música (2006), Belle Époque (2010) e O futuro tem o coração antigo (2013). Tem músicas compostas com Zeca Baleiro, Chico César, Assis Medeiros, Nosly, Criolina, entre outros artistas. Desenvolve projetos de poesia no palco desde 2005: Poesia Dub, com Otávio Rodrigues; A Posição da Poesia é Oposição, com Christian Portela e Luiz Claudio Farias; e Sarau Cerol, com Beto Ehong. Tem poemas publicados em revistas de literatura, entre elas Coyote, Oroboro, Acrobata e Poesia Sempre. Foi curador da Feira do Livro de São Luís do Maranhão (FeliS) em 2013 e 2014.
Mora no Brasil e é filho de portugueses, o pai nasceu em Braga, e a mãe no Porto.

Sobre o Centro Cultural Penedo da Saudade
Inaugurado em 18 de janeiro de 2019 e integrado no projeto cultural do Instituto Politécnico de Coimbra, o Centro Cultural Penedo da Saudade tem como objetivo primordial contribuir para o enriquecimento cultural da comunidade deste Instituto numa complementaridade do que é já a produção cultural das suas unidades orgânicas. Também visa promover a partilha de eventos culturais e artísticos em Coimbra, quer através do reforço da divulgação quer, mesmo, através de intercâmbios. Encontra-o na zona do Penedo da Saudade, com uma bela vista da cidade. www.ipc.pt/ipc/viver/cultura/ccps-digital

Sobre o mediador
Wagner Merije é jornalista, escritor, editor e gestor cultural envolvido com projetos ligados à cultura, educação e meio ambiente em países como Brasil, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Estados Unidos. É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Como jornalista, passou por redes de TVs, rádios, jornais, revistas e sites no Brasil, Inglaterra e Portugal. Escreve para todas as idades e tem 11 livros publicados – poesia, ficção e não ficção, entre os quais estão Sol do Novo Mundo – Fatos e curiosidades sobre a Independência do Brasil e outras guerras e revoluções que impactaram o mundo (2022), Conhece-te a ti mesmo – Pensamentos e práticas à procura de novas primaveras (2021), O Cotovelo Kovid (2020), Psyche & Hamlet vão para Hodiohill (2019), Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), entre outros. Como editor, publicou obras de Luís Vaz de Camões, Fernando Pessoa, Florbela Espanca, Mário de Sá-Carneiro, Camilo Pessanha, João José Cochofel, Pêro Vaz de Caminha, entre outros, e títulos como Coimbra em Palavras, Coimbra em Imagens, São Paulo em Palavras, São Paulo em Imagens.

Outras conversas: www.aquarelabrasileira.com.br/vamos-conversar

Informações:
www.aquarelabrasileira.com.br/vamos-conversar-com-celso-borges
faleaquarela@gmail.com

São Luís em palavras

São-Luís-em-palavras_capa-3D

São Luís em Palavras, novo título da Aquarela Brasileira Livros, apresenta uma visão ampla e multifacetada da capital maranhense na visão de 33 autores

São Luís pelas palavras, lentes e artes de Ana Borges, Andréa Oliveira, Aluísio Azevedo, Bruno Azevêdo, Bruna Castelo Branco, Celso Borges, Deborah Baesse, Diego Dourado, Dyl Pires, Eduardo Júlio, Ed Wilson Araujo, Félix Alberto Lima, Fernando Abreu, João Lisboa, Joãozinho Ribeiro, Joaquim Haickel, José Ewerton, José Nascimento Moraes, José Reinaldo Martins, Júlia Emília, Lissandra Leite, Luciana Martins, Luís Augusto Cassas, Luís Inácio, Márcio Vasconcelos, Marilda Mascarenhas, Otávio Rodrigues, Ricardo Leão, Ricarte Almeida, Sérgio Habibe, Talita Guimarães, Wilson Marques e Zema Ribeiro

São Luís em Palavras faz parte de uma coleção da Aquarela Brasileira Livros, editora sediada em São Paulo, que apresenta histórias afetivsa de cidades, estados e países, pela visão e sentidos de quem vive e se reconhece em suas ruas, casas, apartamentos, esquinas e bares

O livro conta com obras de 33 autores: poetas, pintores, fotógrafos, prosadores, historiadores, professores, advogados, radialistas e editores que, direta ou indiretamente, influenciam a vida da cidade. Eles e elas contam e narram experiências vividas e apresentam personagens da elite e do povo, gente que fez e faz parte da vida deles.

“É um trabalho marcado pela diversidade. Tem um olhar plural sobre São Luís. Mostra sua beleza, mas não esquece de expor as feridas da cidade e seus culpados”, afirma o escritor Celso Borges, um dos organizadores do volume ao lado do poeta e editor Wagner Merije

A capa dialoga com a obra do artista plástico Zé Roberto Lameiras, já falecido, um dos personagens mais atuantes na vida de São Luís nos anos 80 e 90.

A maioria dos autores é de personagens vivos. As exceções são os escritores João Lisboa, Aluísio Azevedo e José Nascimento Moraes, expoentes do século XIX. Os vivos são, entre outros, os prosadores Wilson Marques, Bruno Azevêdo e José Ewerton; os jornalistas Otávio Rodrigues, Zema Ribeiro e Ed Wilson Araujo; os poetas Fernando Abreu e Luis Inácio, além do fotógrafo Márcio Vasconcelos, o compositor Sérgio Habibe e os artistas plásticos Ana Borges e Diego Dourado.

A cidade

São Luís do Maranhão é atravessada pelos rios Anil e Bacanga e foi fundada pelos franceses, que ali ficaram entre 1612 e 1615, quando foram expulsos pelos portugueses. Seu nome é uma homenagem ao rei Luís XIII da França e sua fundação faz parte do projeto da criação de uma França Equinocial no norte do Brasil, que acabou não dando certo.

Mas antes dos europeus chegarem ali, o lugar já era povoado pelos índios, principalmente os Tupinambás, habitantes essenciais na formação daquele povo que juntamente com o branco e o negro africano escravizado, construíram a cidade, com suas belezas e contradições. Essa mistura foi responsável pelo nascimento de um sotaque na língua e nos tambores. A cidade, com suas casas de batuque, seus terreiros e danças e costumes indígenas, somados às influências ibéricas, deram à cidade uma cor e dicção únicas no país e no mundo.

No século 18 e 19, período de grande crescimento econômico, os portugueses conceberam a construção de uma mini Lisboa com seus casarões, sobrados e ruas estreitas. De um lado, a elite mandava seus filhos estudarem na Europa e voltarem doutores. De outro, os negros africanos erguiam a cidade de arquitetura opulenta. De um lado, a atuação de grandes intelectuais de destaque nas letras nacionais, como João Lisboa, Odorico Mendes, Sousândrade e Gonçalves Dias; do outro uma grande massa analfabeta excluída e ignorada pelos donos do poder.

Com a abolição da escravatura e a falta de planejamento urbano e econômico, a chamada Atenas Brasileira caiu num certo ostracismo do qual ainda tenta se levantar. Tudo isso em meio a uma exuberância de cor e claridade, de vento e água de seus rios e mares; da herança de uma língua de múltiplos sotaques e seus tambores e ritmos. Uma cidade que pulsa viva e diferente de todas as outras.

“É essa, principalmente, a São Luís que está aqui neste livro: memórias, afetos, significados e vivências de pessoas que, sem esquecer as feridas e cicatrizes da cidade, revelam um pouco do impacto de sua singularidade sobre o coração de cada um deles”, finaliza Borges.

 

SERVIÇO

Título: São Luís em palavras

Autores: 33

Organizadores: Celso Broges e Wagner Merije

Editora: Aquarela Brasileira Livros

Gênero: Prosa, Poesias, Artes gráfica, Crônicas, Memórias

Formato: 14 x 21 cm

Número de páginas: 196

ISBN: 978-85-92552-07-7

Preço: R$ 35,00

Web: www.aquarelabrasileira.com.br/sao-luis-em-palavras

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

Aquarela Brasileira Livros é uma editora contemporânea, criativa e ousada. Trabalhamos com autores que amam escrever e também com quem tem histórias incríveis para contar.

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

Akademia dos Párias em São Paulo

akademia-dos-parias_071216_casa-das-rosas

Poetas do Maranhão vão destilar poesia na Casa das Rosas no dia 07/12/2016, no lançamento do livro “A poesia atravessa a Rua”, em comemoração aos 30 anos do grupo de poetas que nos anos 80 se reuniu e agitou São Luís com livros, saraus, revistas e muita festa.

Participação de Paulo  Roberto Gomes, Raimundo Garrone, Marcello Chalvinski, Ademar Danilo, Celso Borges, Fernando Abreu e ZéMaria Medeiros, entre outros.

Serviço

Poetas do Maranhão vão destilar poesia na Casa das Rosas no dia 07/12/2016,

Evento: Lançamento do livro “A poesia atravessa a Rua” com Sarau

Data: 07/12/16

Local: Casa das Rosas – Avenida Paulista

Horário: Das 19h às 21h

A produção do lançamento em São Paulo é da Aquarela Brasileira