Literatura, cinema, música e artes na FNAC

Cineasta António Ferreira participa na apresentação conjunta dos dois romances de Paulo Branco Lima na FNAC de Coimbra.

Origem e ruína_capa 3dCAPA_PEREGRINACAO_FINAL

 

 

 

 

 

 

 

Após os sucessos dos lançamentos nos mercados editoriais de Portugal e do Brasil, a primeira apresentação em conjunto dos dois romances de Paulo Branco Lima, Origem e Ruína e Peregrinação Crioula, publicados pela chancela Aquarela Brasileira Livros, irá contar com a participação do realizador conimbricense António Ferreira, cineasta reconhecido pelas obras Pedro e Inês, o filme mais visto em Portugal em 2018, ou Embargo, uma adaptação de José Saramago.

António Ferreira estará à conversa com o autor Paulo Branco Lima e com o editor Wagner Merije, abordando as relações culturais entre Portugal e Brasil, país onde o realizador, nos últimos anos, sediou a sua produtora Persona Non Grata Pictures.

Durante o último biénio, o mercado sul americano tem sido igualmente recetivo para o escritor de Coimbra Paulo Branco Lima, que viu a segunda edição do primeiro romance Origem e Ruína ser publicada em terras brasileiras, para além do seu segundo livro Peregrinação Crioula. Moderado pelo responsável editorial da Aquarela Brasileira, este encontro, a realizar na Loja FNAC do Fórum Coimbra no próximo dia 5 de novembro, pelas 21h30, abordará de igual forma as condicionantes e desafios do relacionamento entre literatura e cinema. Irá também participar no evento o cantautor Hélder Grau Santos, interpretando três temas musicais com ligação umbilical às obras apresentadas.

Paulo Branco Lima_António Ferreira

Biografias

 Paulo Branco Lima é licenciado em Jornalismo pela Universidade de Coimbra e Mestre em Literatura de Língua Portuguesa (UC). Com o selo da Aquarela Brasileira Livros, publicou as obras de ficção Origem e Ruína e Peregrinação Crioula, esta última selecionada para a edição de 2020 do Prêmio Oceanos. Entre inúmeras colaborações destacam-se os seus artigos publicados na Revista de Estudos Literários (Centro de Literatura Portuguesa) e nas publicações angolanas O Chá e Jornal Cultura. O seu trabalho foi destacado por vários veículos de comunicação em Portugal e África. Atualmente exerce funções de produtor executivo no equipamento cultural Convento São Francisco, em Coimbra.

António Ferreira estreou-se em Cannes no ano 2000, com o filme “Respirar Debaixo d’Água”. Autor de “Pedro e Inês” que foi o filme português mais visto em 2018, já realizou três longas metragens – “Embargo” uma adaptação de José Saramago e “Esquece Tudo o que te Disse”. Dirige a produtora Persona Non Grata Pictures sediada em Portugal e no Brasil.

 

DADOS DOS LIVROS
Título: Peregrinação Crioula
Autor: Paulo Branco Lima
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 172
ISBN: 978-85-92552-12-1
Depósito legal: 455407/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/peregrinacao-crioula

Título: Origem e Ruína
Autor: Paulo Branco Lima
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 140
ISBN: 978-85-92552-12-1
DL: 460652/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/origem-e-ruina

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são Incríveis! A gente ama!

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

Uma mulher qualquer

Uma mulher qualquer_capa3D_final

 

Uma mulher qualquer, de Haydée da Cunha Frota, novo título da Aquarela Brasileira Livros: poesia das recordações, do olhar e do não morrer

Este Uma mulher qualquer encontra seu tom já na introdução, um poema narrativo em que o lançamento de um livro se torna um momento para obter a poesia das coisas.

Aqui, a paisagem é poesia, o rio, as árvores, a memória da infância, o pai usando chapéu, as galinhas no terreiro, a cabritinha, as flores, a merendeira de plástico azul, o estojo de lápis. Outra profusão de elementos é dada no poema Imagens da solidão, esse destacado sofrimento sobre o qual a poeta confessa: “Tenho medo”. Em Haydée da Cunha Frota, a solidão se exaspera e se transforma, por exemplo, no poema em que uma tia se recusa a se alimentar por saudades.

A poeta trabalha com o cotidiano, prepara a usinagem do mundo de cada dia com seu modo de ver, usando metáforas para construir a beleza dos versos; noutras vezes, Haydée usa o tecido da prosa, mas embebido de lirismo, como em Fragmentos.

A atenção na vida faz tanto falar dos suicidas e ouvir os gemidos que antecedem a morte quanto celebrar a amizade de duas irmãs e suas escolhas políticas, assim como deixar marcado o compromisso com a resistência: “o chope no Maletta depois das passeatas”. Há uma forte marca de registro dos acontecimentos políticos nos versos, como as manifestações para lembrar um ano do assassinato de Marielle Franco, crime ainda obscuro, quando tantas pistas ligam os nomes dos diretamente envolvidos no crime ao nome da família Bolsonaro, que hoje desgoverna o país.

Rainer Maria Rilke, um mestre, nos ensinou que mesmo que estivéssemos em uma prisão, cujos muros não permitissem que nenhum dos ruídos do mundo chegassem aos nossos ouvidos, teríamos sempre o tesouro das recordações. Haydée traz as recordações, o passado, e traz também o presente.

Neste Uma mulher qualquer, Haydée mostra que a poesia é um modo de olhar e, como deixa claro no último verso deste livro, também é um modo de não morrer.

Por Adriane Garcia

 

DADOS DO LIVRO
Título: Uma mulher qualquer
Autor: Haydée da Cunha Frota
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Poesia
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 64
ISBN: 978-65-86867-00-8
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/uma-mulher-qualquer

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

Clepsidra_100 anos

Um dos livros mais enigmáticos da poesia portuguesa, CLEPSIDRA, de Camilo Pessanha, completa 100 anos de sua publicação neste 2020.
Trata-se de um livro importante, de excelente poesia, que todos precisam ler.
Peça seu exemplar pelo e-mail faleaquarela@gmail, que enviamos para sua casa com todo carinho e cuidado.
Para saber mais da edição da Aquarela Brasileira Livros, acesse o link www.aquarelabrasileira.com.br/clepsidra_camilo-pessanha

Em comemoração a esta data tão importante, a Aquarela Brasileira Livros vai estar presente na homenagem preparada em Coimbra:

Tributo 100 anos_Clepsidra_301020_Café Santa Cruz_Coimbra

Eis um poema:

CAMINHO I

Tenho sonhos cruéis: n’alma doente
Sinto um vago receio prematuro.
Vou a medo na aresta do futuro,
Embebido em saudades do presente…
Saudades desta dor que em vão procuro
Do peito afugentar bem rudemente,
Devendo, ao desmaiar sobre o poente,
Cobrir-m’o coração dum véu escuro!…
Porque a dor, esta falta d’harmonia,
Toda a luz desgrenhada que alumia
As almas doidamente, o céu d’agora,
Sem ela o coração é quase nada:
— Um sol onde expirasse a madrugada,
Porque é só madrugada quando chora.

Visibilidade e Respeitabilidade

Untitled-1

 
Visibilidade e Respeitabilidade: Memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968), de Maria Aparecida Pinto Silva, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, discute o racismo em São Paulo, Brasil

 

No início da década de 1950 a UNESCO encomendou a um grupo de cientistas sociais brasileiros um conjunto de pesquisas que abordassem as relações raciais no Brasil, vistas pelo mundo como harmônicas e democráticas. A conclusão desse estudo, porém, revelou exatamente o contrário, evidenciando uma sociedade racista que perpetuava a invisibilidade e marginalização do negro.

Esta obra de Maria Aparecida Pinto Silva, a partir de sua dissertação de mestrado apresentada há 23 anos na PUC de São Paulo, traz à luz essa cruel realidade, desvendando não só o contínuo processo de exclusão do negro, mas também sua resistência e luta para conquistar seu espaço na sociedade, impondo sua visibilidade e respeitabilidade, particularmente na cidade de São Paulo.

A autora nos faz viajar nessa jornada através das memórias de um grupo de interlocutores negros, memórias que se cruzam, formam uma identidade étnica e os legitima como sujeitos de sua própria história, uma história que nos remete à abolição, passando posteriormente para a fundação de ordens religiosas que acabaram originando associações negras, uma imprensa combativa –em especial na década de 1930-, e espaços de cultura e lazer, onde se agregavam e davam uma resposta ao racismo, afirmando-se como um grupo que se fazia visível na mensagem que passava para a sociedade: existimos, temos dignidade e somos respeitáveis.

Conforme declara a autora, “Tenho um carinho muito especial por essa pesquisa que diz muito sobre minha própria trajetória: meus pais, tios e avós foram protagonistas na luta dos negros paulistanos pela sobrevivência material, pela dignidade e espiritualidade. Meu avô foi secretário na Igreja do Rosário por 30 anos, meu pai era da Associação Cultural do Negro, meu tio um dos fundadores do Aristocrata, meu tio avô era do KWY e seus amigos do Royal… a lista não termina…”

Hoje o debate sobre a questão racial é urgente, é pauta de todos os meios de comunicação. A leitura deste trabalho se torna extremamente pertinente, já que vivemos um momento histórico no qual, mais do que nunca, os negros se rebelam contra o racismo e se colocam como protagonistas e narradores de sua história, comumente contada pelo branco.

 

SOBRE A AUTORA
Maria Aparecida Pinto Silva é graduada em Ciências Sociais e especialista em Antropologia pela UNICAMP. Tem o mestrado e o doutorado pela PUC de São Paulo. É professora universitária desde 1988 e professora aposentada da rede pública do Estado de São Paulo. Seus estudos desde a graduação foram pautados pela questão étnica: estudou o baile negro Chic Show, as Associações Culturais e Recreativas de São Paulo e por último na academia desenvolveu a tese sobre o jornal “A Voz da Raça”, da Frente Negra Brasileira. Atualmente dedica-se ao estudo do continente africano.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Visibilidade e Respeitabilidade: Memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968)
Autor: Maria Aparecida Pinto Silva
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Prosa, Poesia
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 144
ISBN: 978-65-86867-04-6
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/visibilidade-e-respeitabilidade

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são incríveis! A gente ama!
www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira
faleaquarela@gmail.com

Apneia

Untitled-1

Apneia”, de Márcia Leão, novo título da Aquarela Brasileira Livros, revela a sensibilidade de uma voz poética feminina

 

Para Freud, o EU é construído na relação com o outro. É no mergulho no mar caudaloso do outro que eu teço minhas teias de identificação, repulsa, desejo, entrega ou distanciamento. Para ele, a própria pulsão instintiva que orienta o indivíduo para o amor é uma maneira de realização natural do ser ao encontrar compatibilidade no outro. Ao amar, desejamos ver no outro o reflexo do nosso amor e merecê-lo, por ser ele igual ou melhor do que nosso amor, um modo de amar mais perfeito que o nosso, nosso ideal, nosso próprio eu!

Encontrar o outro pressupõe, portanto, um rasgo de coragem justamente porque no caminho estão aqueles sentimentos todos que vão sendo recolhidos ao longo da trajetória e que, somados, gritam em nosso interior: esse que lhe sorri, dá as costas, abraça, conversa, emudece, aponta, olha ou desvia o olhar, tece intrigas ou se revela inteiro, esse que lhe seduz ou apavora, lhe faz suspirar ou perder o fôlego… na verdade tem muito de você, revelado nesse espelho de carne, vísceras, paixão e espanto!

Márcia Leão, esta menina pós-cinquenta, pode ter morrido de medo do percurso. Mas entre apneias, insônias, madrugadas e cálices de vinho, conseguiu revelar estes encontros. Seu texto é esse pé na porta de quem ficou por muito tempo com o quarto sob segredo, as gavetas arrumadas, as cortinas cerradas, mas com uma latência que gritava por revirar tudo e se apresentar. Lá dentro, em alguns momentos lânguida de sedução, em outros raivosa de repulsa pelo acanhamento daqueles que teimam em não serem inteiros, a leoa postou-se inteira, entregue, pronta para quem a quisesse ler, sentir, tocar.

Cada linha aqui revelada trata de encontros. O encontro da mulher com o amor, com a paixão, com o carinho, com os cheiros do tesão impregnados na parede. Não há nenhum falso pudor em assumir-se um caldeirão de antagonismos, paradoxos, antíteses, incoerências. Nestes traçados poéticos, há o cheiro da campina, o odor suave das crianças que correm pela sala, o aroma tépido das recordações que descem as escadas do sótão para se materializarem sob o olhar da mãe amorosa ou da filha saudosa. Mas há, também, e muito, o ar impregnado da volúpia do desejo, da carne, do verbo que quer se fazer explosão de confissão.

Há uma provocação explícita desde o título. Apneia é aquilo que normalmente aquele que possui não vê, mas sente no corpo as dores e as angústias de ter no peito. Apneia tira o sono, impõe vigília – a do que respira e a daqueles que tentam dormir, em volta. É angustiante, exaustiva, e muitas vezes o sentimento é de querer livrar-se, “curar-se”. Márcia entrega-se, inteira, nestes versos e prosas. Mas isso tem um preço. A cumplicidade de quem a ver, revelada, desperta sobressaltos, vigília.

Este livro é, antes de tudo, esta catarse libertadora por parte de sua autora. Catarse, em seu sentimento aristotélico mais genuíno: pela emoção arrebatadora, uma purificação de almas. A mulher, mãe, amante, filha, amiga está lhe entregando um convite: vem perder o fôlego comigo!

Segundo Ney Mourão aponta no prefácio, “Se você aceitar o convite, irá fundo, tão fundo a ponto de também perder o ar, como ela expressa logo no primeiro poema. Mas será que viver a vida inteira sem estas apneias reveladoras vale a pena, de fato? Poema guardado na gaveta, ela nos diz, é coisa triste de se ver, sem asas, sem jornada, sem acenos para janelas que ficam. Gente sem suspiros, sem engasgos, sem noites perdidas de sono porque o amor não veio ou se foi, esta mulher alada, feita de sonhos, não quer mesmo por perto. Márcia quer mesmo é encontro de singularidades, pé na porta e segredos esparramados sobre a colcha como presentes em dia de aniversário.”

É muito bom que haja autoras corajosas, que se entregam em poesia, prosa, em tempos tão sombrios. Tempos onde encontrar e encontrar-se é algo tão frágil quanto minutos de sono sob apneias em uma noite de insônia. É bom que Márcia Leão, ao descobrir-se, também tenha tido a generosidade e bondade de se revelar. Ousadia e coragem de quem não tem medo de ser chamada de louca, sonhadora, inconsequente. De quem escreve, sem meias-palavras, que está e sempre estará em outro rebanho.

O poeta Chico, brasileiro, homem, que tão bem desvendou a alma feminina, um dia desejou não dormir, até que se consumasse um tempo dele e da amante, e dizia de um tempo de delicadezas, de silêncios, e de encantamentos que só a eternidade pode trazer. Se você mergulhar, de fato, neste encontro que Márcia aqui propõe, talvez consiga viver um momento semelhante à letra desta canção.

Na opinião de Roberto de Freitas, “A escrita poética de Márcia é sentida! É daquelas que quando escreve deixa sulcos nas folhas de trás. É assim porque vem carregada de vida e de experiências. E, ao mesmo tempo, é leve como quem já viveu e sabe no corpo o seu fim. É alegre e também triste, como aquele olhar brilhando que acompanha o horizonte até se pôr.Vejo aí Márcia Menina e Márcia Mulher, brincando de se esconder uma dentro da outra. E viva essa poesia feminina e afetuosa como quem carrega no colo as palavras mais lindas!!!”

Prepare-se que Apneia é isto: onde a respiração para e volta diversas vezes.” Vai lá! Perca o sono por hoje. Perca o fôlego. Mas encontre lirismo para manter a alma desperta, que disso qualquer ser que respira quer mais é se afogar, com vontade!

 

SOBRE A AUTORA
Márcia Leão é poeta e assistente social, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais. Sempre gostou de escrever, mas, só agora, aos sessenta anos, criou coragem de mostrar seus textos, tirar a roupaem público. Quando escreve, é como se estivesse conversando com seu confidente. Mostra-me inteira. Talvez por isso a hesitação de tornar público. Nesta obra coloca suas verdades, seus sonhos, seus devaneios… Esses poemas falam do vivido, do sonhado, do esperado. O sonho hoje é que encontrem eco na poesia que mora em cada um.É que despertem outros sonhadores permitindo-lhes belos voos.

DADOS DO LIVRO
Título: Apneia
Autor: Márcia Leão
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Poesia
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 148
ISBN: 978-65-86867-02-2
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/apneia
Encomendas: marcialeao@ymail.com
 

 Aquarela Brasileira Livros
Livros são Incríveis! A gente ama!
www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira
faleaquarela@gmail.com