Arquivo da tag: racismo

Visibilidade e Respeitabilidade

Untitled-1

 
Visibilidade e Respeitabilidade: Memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968), de Maria Aparecida Pinto Silva, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, discute o racismo em São Paulo, Brasil

 

No início da década de 1950 a UNESCO encomendou a um grupo de cientistas sociais brasileiros um conjunto de pesquisas que abordassem as relações raciais no Brasil, vistas pelo mundo como harmônicas e democráticas. A conclusão desse estudo, porém, revelou exatamente o contrário, evidenciando uma sociedade racista que perpetuava a invisibilidade e marginalização do negro.

Esta obra de Maria Aparecida Pinto Silva, a partir de sua dissertação de mestrado apresentada há 23 anos na PUC de São Paulo, traz à luz essa cruel realidade, desvendando não só o contínuo processo de exclusão do negro, mas também sua resistência e luta para conquistar seu espaço na sociedade, impondo sua visibilidade e respeitabilidade, particularmente na cidade de São Paulo.

A autora nos faz viajar nessa jornada através das memórias de um grupo de interlocutores negros, memórias que se cruzam, formam uma identidade étnica e os legitima como sujeitos de sua própria história, uma história que nos remete à abolição, passando posteriormente para a fundação de ordens religiosas que acabaram originando associações negras, uma imprensa combativa –em especial na década de 1930-, e espaços de cultura e lazer, onde se agregavam e davam uma resposta ao racismo, afirmando-se como um grupo que se fazia visível na mensagem que passava para a sociedade: existimos, temos dignidade e somos respeitáveis.

Conforme declara a autora, “Tenho um carinho muito especial por essa pesquisa que diz muito sobre minha própria trajetória: meus pais, tios e avós foram protagonistas na luta dos negros paulistanos pela sobrevivência material, pela dignidade e espiritualidade. Meu avô foi secretário na Igreja do Rosário por 30 anos, meu pai era da Associação Cultural do Negro, meu tio um dos fundadores do Aristocrata, meu tio avô era do KWY e seus amigos do Royal… a lista não termina…”

Hoje o debate sobre a questão racial é urgente, é pauta de todos os meios de comunicação. A leitura deste trabalho se torna extremamente pertinente, já que vivemos um momento histórico no qual, mais do que nunca, os negros se rebelam contra o racismo e se colocam como protagonistas e narradores de sua história, comumente contada pelo branco.

 

SOBRE A AUTORA
Maria Aparecida Pinto Silva é graduada em Ciências Sociais e especialista em Antropologia pela UNICAMP. Tem o mestrado e o doutorado pela PUC de São Paulo. É professora universitária desde 1988 e professora aposentada da rede pública do Estado de São Paulo. Seus estudos desde a graduação foram pautados pela questão étnica: estudou o baile negro Chic Show, as Associações Culturais e Recreativas de São Paulo e por último na academia desenvolveu a tese sobre o jornal “A Voz da Raça”, da Frente Negra Brasileira. Atualmente dedica-se ao estudo do continente africano.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Visibilidade e Respeitabilidade: Memória e luta dos negros nas associações culturais e recreativas de São Paulo (1930-1968)
Autor: Maria Aparecida Pinto Silva
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Prosa, Poesia
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 144
ISBN: 978-65-86867-04-6
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/visibilidade-e-respeitabilidade

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são incríveis! A gente ama!
www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira
faleaquarela@gmail.com

Psyché e Hamlet vão para Hodiohill

Psyché e Hamlet_capa3d

Psyché e Hamlet vão para Hodiohill, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, é uma história de amor em meio ao caos

* Obra selecionada para o Prêmio Oceanos 2020

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill conta a história de duas almas sensíveis, P & H, que se conhecem num aeroporto, pouco antes de embarcarem para Hodiohill. Como muitos de nós, P & H tinham feito suas escolhas, todos nós fazemos escolhas, o difícil é conviver com elas. Mas os dois não seriam capazes de prever o que os esperava. Tudo o que se pode dizer é que Hodiohill talvez tenha sido o maior paraíso e o maior inferno que já se teve notícia.

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill é sobre seres suspensos, sem lugar para esconder a confusão de seus corações. É sobre um tempo e um lugar em decomposição. De um jeito ou de outro, as histórias de Hodiohill e das personagens que P & H vão encontrando pelo caminho estão entrelaçadas, em toda a sua glória, declínio e fascínio.

Esta é uma obra surpreendente que mistura memória, imaginação e crítica social com humor, amor e leveza em boas doses, um trabalho intelectual e literário que invoca saberes tão diferentes, mas complementares, como a política, a psicologia, a religião e a literatura.

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill aborda e questiona, entre muitos temas, o caos social, a violência, o autoritarismo, o impacto do colonialismo nas mentes, a xenofobia, o machismo, o patriarcalismo e os padrões de relacionamentos afetivos. Um livro para perguntar de onde vem o nosso ódio, com uma mensagem de que precisamos cuidar de nós e combatê-lo, mesmo que isso soe paradoxal.

A universalidade das ideias, das ações e das palavras apresentadas serão tão mais universais quanto mais as fizermos ecoar e atuar no nosso mundo. Não basta dizer que a arte e, em particular, a literatura podem contribuir para a defesa da liberdade, da igualdade, dos direitos humanos e do meio ambiente. Os grandes problemas do nosso tempo, como já dizia Saramago, são também as grandes questões da (grande) literatura e da (grande) arte contemporâneas, que, de diferentes modos, se propõem (re)desenhar novos ou renovados paradigmas para o ser humano, dentro da (des)ordem da natureza e do ambiente.

Para o autor, citando Barthes, escrever é fazer-se o centro do processo de palavra, é efetuar a escritura afetando— se a si próprio, é fazer coincidir a ação e a afeição (…). O exercício da linguagem é uma forma de praticar o autoconhecimento e o alargamento do conhecimento do mundo.

Wagner Merije é autor de uma série de trabalhos diferentes e, ao mesmo tempo, em constante diálogo. Talvez esta seja uma palavra boa para descrever suas propostas literárias, artísticas e educativas: dialogar para compreender o outro, para reconstruir o mundo. Publicou os livros Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Mexidinho (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013, e Turnê do Encantamento (2009); organizou, editou e prefaciou mais de duas dezenas de livros, entre os quais estão obras de Fernando Pessoa, Camões, Camilo Pessanha e João José Cochofel, e títulos como Coimbra em palavras (2018), Coimbra em imagens (2019), São Paulo em palavras (2016), São Paulo em imagens (2017), Trinta Anos-Luz – Poetas celebram 30 anos de Psiu Poético (2016) e Pelas periferias do Brasil vol. 6 (2016); escreveu canções e peças de teatro; dirigiu filmes; trabalhou para jornais, revistas, radios, TVs e sites. Nesse percurso, já apresentou trabalhos em diversos países e foi agraciado com alguns prêmios. É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, autor de ensaios e artigos sobre literaturas de língua portuguesa, inglesa e grega. Psyché & Hamlet vão para Hodiohill é seu segundo romance.
Saiba mais em www.merije.com.br

DADOS DO LIVRO
Título: Psyché e Hamlet vão para Hodiohill
Autor: Wagner Merije
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 164
ISBN: 978-85-92552-20-6
DL: 461950/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/psyche-e-hamlet-vao-para-hodiohill
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

Nesta quarentena, faça o download do livro gratuitamente

Psyché e Hamlet_EBOOK

 

LANÇAMENTOS/APRESENTAÇÕES
LISBOA/PT – 23/11/19 – sábado – das 16h30 às 18h30 – Lugar Específico - Rua Actor Vale, nº 16 B

COIMBRA/PT – 26/11/19 – terça-feira – das 20h às 22h – Liquidâmbar – Praça da República nº 28 1º

PORTO/PT – 28/11/19 – quinta-feira – das 21h às 23h – Unicepe – Praça de Carlos Alberto, 128-A

SÃO PAULO/SP – 10/12/19 – terça-feira – das 19h às 21h – Casa de Portugal -Av. da Liberdade, 602 – Bairro da Liberdade

SÃO PAULO/SP – 14/12/19 – sábado – das 13h às 15h – O Autor na Praça – Espaço Plínio Marcos – Praça Benedito Calixto – Vila Madalena

BELO HORIZONTE/MG – 17/12/19 – terça-feira – das 19h às 21 – Livraria do Belas – Rua Gonçalves Dias, 1581 – Lourdes

BELO HORIZONTE/MG – 28/01/20 – terça-feira – das 19h às 21h – Asa de Papel Café & Arte - Rua Piauí, 631 – Santa Efigênia

SÃO PAULO/SP – 04/02/20 – terça-feira – das 19h às 21h – Patuscada Livraria, Bar & Café – Rua Luís Murat, 40 – Vila Madalena

*Programação sujeita a mudanças

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

Brasil – Portugal

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

Almas da liberdade pela cidade

O livro “Almas da liberdade” circula pela cidade