Arquivo da tag: romance

VAMOS CONVERSAR com Richard Zimler

Vamos Conversar_Richard Zimler_redux

VAMOS CONVERSAR é uma série de conversas com personalidades da literatura

No dia 08 de julho de 2021 o Centro Cultural Penedo da Saudade, do Instituto Politécnico de Coimbra, dá prosseguimento ao projeto Vamos Conversar, um ciclo de conversas e debates com personalidades da literatura.
O projeto visa estimular reflexões sobre a cultura e a educação com o objetivo de potencializar novos fluxos de interação e criação nesta tão importante e admirada cidade. Também busca fazer desses encontros ágoras de troca de ideias entre os convidados e o público, de modo que todos sintam-se acolhidos e valorizados, e que o debate gere conhecimento e transformação.
Trata-se de uma realização do Centro Cultural Penedo da Saudade e co-organização da Aquarela Brasileira Multimedia.
O convidado de julho é Richard Zimler, escritor, jornalista, professor.

Vamos Conversar 4 – Literatura, Vidas e Espelhos: Uma conversa com Richard Zimler – escritor, jornalista, professor
Dia: 08 julho 2021 – Hora: 18:00 (Lisboa)

A conversa terá transmissão em direto pelo facebook do Centro Cultural Penedo da Saudade (www.facebook.com/centroculturalpenedosaudade) e em streaming pelo Zoom (ID: 838 0711 8404 – Senha de acesso: 295987)

Sobre o Centro Cultural Penedo da Saudade
Inaugurado em 18 de janeiro de 2019 e integrado no projeto cultural do Instituto Politécnico de Coimbra, o Centro Cultural Penedo da Saudade tem como objetivo primordial contribuir para o enriquecimento cultural da comunidade deste Instituto numa complementaridade do que é já a produção cultural das suas unidades orgânicas. Também visa promover a partilha de eventos culturais e artísticos em Coimbra, quer através do reforço da divulgação quer, mesmo, através de intercâmbios. Encontra-o na zona do Penedo da Saudade, com uma bela vista da cidade.

Sobre o convidado
Richard Zimler nasceu em 1956. Fez um bacharelato em religião comparada na Duke University (1977) e um mestrado em jornalismo na Stanford University (1982). Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de San Francisco, Estados Unidos. Em 1990, foi viver para o Porto, onde foi professor de jornalismo durante 16 anos, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. Nos últimos 23 anos, publicou 11 romances, uma colectânea de contos e cinco livros infantis, que depressa entraram nas listas de bestsellers de vários países (Portugal, Brasil, EUA, Inglaterra, Itália, etc…). Os seus livros editados em Portugal – por ordem cronológica – são: O Último Cabalista de Lisboa, Trevas de Luz, Meia-Noite ou o Princípio do Mundo, Goa ou o Guardião da Aurora, À Procura de Sana, A Sétima Porta, Confundir a Cidade com o Mar (colectânea de contos), Dança Quando Chegares ao fim (livro para crianças), Os Anagramas de Varsóvia, Ilha Teresa, Hugo e Eu e as Mangas de Marte (livro para crianças), A Sentinela, Se Eu Fosse (livro para crianças), O Evangelho Segundo Lázaro, O Cão Que Comia a Chuva (livro para crianças), Maria e Danilo e o Mágico Perdido (livro para crianças) e Os Dez Espelhos de Benjamin Zarco. Vários livros seus fazem parte do Plano Nacional de Leitura, incluindo Dança Quando Chegares ao Fim, Se Eu Fosse e O Cão que Comia a Chuva. Zimler já ganhou diversos prémios, incluindo o National Endowment of the Arts Fellowship in Fiction (EUA) em 1994 e o Prémio Herodotus (EUA) para o melhor romance histórico em 1998. O prémio literário Alberto Benveniste 2009 foi atribuído a Zimler pela obra Goa ou o Guardião da Aurora. O prémio foi criado para galardoar um romance (publicado em francês) que se enquadra no programa do Centro Alberto Benveniste (Estudos Judeus-Sefarditas). Os Anagramas de Varsóvia foi nomeado o Melhor Livro de 2009 pela revista LER e também pelos alunos das escolas secundárias de Portugal (Prémio Marquês de Ouro). O Evangelho Segundo Lázaro foi nomeado um dos melhores romances do ano pelas livrarias FNAC e Bertrand. Cinco dos seus romances foram nomeados para o Dublin
International Literary Prize, um dos mais importantes do mundo anglo-saxónico. Zimler também organizou uma antologia de contos para beneficiar Save the Children e os seus programas (no caso de Portugal, para beneficiar os programas nos PALOP). A versão portuguesa inclui contos de Richard Zimler, Mia Couto, Lídia Jorge, Margaret Atwood, Nadine Gordimer, Ali Smith, Markus Zusak, Junot Díaz e 20 outros ficcionistas. Já proferiu mais de 500 conferências sobre a sua escrita e a cultura
judaica, em escolas, museus, bibliotecas, livrarias, sinagogas e auditórios públicos em mais do que 15 países, incluindo os EUA, Inglaterra, Austrália, Portugal, França e Brasil. Em 2009, Zimler escreveu o guião para O Espelho Lento, uma curta-metragem baseada num dos seus contos. O filme foi realizado no verão de 2009 pela realizadora sueca-portuguesa Solveig Nordlund e venceu o prémio de melhor filme dramático no Festival de Curtas-Metragens de Nova Iorque em Maio de 2010.

Sobre o mediador
Wagner Merije é jornalista, escritor, editor e gestor cultural envolvido com projetos ligados à cultura, educação e meio ambiente em países como Brasil, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Estados Unidos. É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Como jornalista, passou por redes de TVs, rádios, jornais, revistas e sites no Brasil, Inglaterra e Portugal. Escreve para todas as idades e tem nove livros publicados, de ficção, não ficção, entre os quais estão Conhece-te a ti mesmo – Pensamentos e práticas à procura de novas primaveras (2021), O Cotovelo Kovid (2020), Psyche & Hamlet vão para Hodiohill (2019), Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013 na categoria Educação, Torpedos (2011), Turnê do Encantamento (2009), dentre outros. Como editor, publicou obras de Luís Vaz de Camões, Fernando Pessoa, Florbela Espanca, Mário de Sá-Carneiro, Camilo Pessanha, João José Cochofel, entre outros, e títulos como Coimbra em Palavras, Coimbra em Imagens, São Paulo em Palavras, São Paulo em Imagens, Propostas Novas para Novos Mundos, entre outros.

Informações:
faleaquarela@gmail.com

Coleção Portugal em Prosa e Verso

Uma coleção de novos autores e grandes nomes da literatura e das letras de Portugal em edições especiais e muito bem cuidadas, pensadas para novos leitores e todos aqueles que reconhecem a valorosa criação portuguesa.

Coleção Livros Portugal_Aquarela

 

Poesia

31 Poemas Selecionados – Fernando Pessoa

Sonetos – Luís Vaz de Camões

Clepsidra – Camilo Pessanha

Breve – João José Cochofel

 

Narrativas em Prosa

Peregrinação Crioula – Paulo Branco Lima

Origem & Ruína – Paulo Branco Lima

Os Segundos Nomes – Anthony Clown

 

Vários Autores

Coimbra em Palavras

Coimbra em Imagens

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

Brasil – Portugal

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

Livros na FNAC

E chegámos à FNAC!

Os romances Origem e Ruína – lançado no Brasil com apoio da DGLAB – e Peregrinação Crioula – selecionado para o Prêmio Oceanos 2020 -, de autoria do escritor português de origem angolana, Paulo Branco Lima, já se encontram à venda na FNAC do Fórum de Coimbra, ficando disponíveis também, por encomenda, nas restantes lojas FNAC de Portugal.

São ótimas companhias de verão! E para toda hora de leitura!

Datas de apresentação nestes espaços a anunciar brevemente!

Você também pode encomendar estes e outros títulos da Aquarela Brasileira Livros pelo e-mail faleaquarela@gmail.com , que enviamos os livros para sua casa ou outra morada.

Livros Lima_FNAC_20200723_reduzido

Fnac_Portugal

Os Segundos Nomes

Capa_Os segundos nomes

Os segundos nomes, novo título da Aquarela Brasileira Livros que chega ao mercado de Portugal, é um romance surpreendente em todo e cada detalhe, elaborado com invenção por um escritor com vozes próprias

Prepare-se para conhecer uma figura ímpar: Toni é crítico d’Artes, mas não um crítico normal, dentro do sentido específico. Sua crítica é geral; tenta abranger todas as formas de Arte. Justifica esta ambição crendo na sua simplicidade; as suas palavras a este respeito defendem que “não é necessário saber a fundo algumas matérias quando se conseguem Sentir Fragmentos de todas elas…” Além disso, é essa ocupação que lhe financia os vícios e paga as contas, como a qualquer comum dos Iguais. Toni sente-se veramente um pedagogo artístico, porém a sua crítica não disfruta de grandes créditos. Os seus detractores dizem que o seu criticismo positivo é um processo anti-pedagógico. Toni Entende o Contrário.

Inventivo e original, Os segundos nomes notabiliza-se por Uma narrativa singular e anarca Que aborda a pluralidade dos sentidos. Os personagens desdobram-se Indefinidamente em heterónimos E sub-heterónimos, que por sua voz Derivam para vários pseudo-alter-egos Através duma ramificação infinita. Toni, o personagem essencial desta comédia romântica surreal É assolado por um Padrão de Sofrimentos Energias artísticas Que ciclicamente se transformam Num problema sentimental Cujos destinos se entrelaçam: As suas Musas, as suas Artes: As suas Ilusões.

Neste livro, cada palavra é pensada e valorizada. A escrita rica em alegorias revela um autor ousado e espiritualizado, que sabe que seu caminho na arte é se misturar às estrelas, como pontos de luz de múltiplas alcunhas. Chama a atenção também diversas imagens entre o texto, idealizadas em colaboração com o artista português Alexandre Esgaio e a ilustradora japonesa Mika. Na capa é reproduzida uma obra do artista gráfico português Pedro Góis.

Respire fundo e entre na história, que no teatro do mundo todos somos personagens e eternos aprendizes.

Esta edição, apresentada primeiramente no Brasil, contou com o apoio da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, do Ministério da Cultura de Portugal.

No Brasil, a reedição de Os Segundos Nomes já foi apresentada na cidade de São Paulo na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, no dia 10 de dezembro de 2019, com a presença do autor Hélder Grau Santos (PT), com intervenções de Wagner Merije (BR-PT), José Santos (BR), Carlos Seabra (PT), entre outros escritores, escritoras e convidados presentes; e também no projeto O Autor na Praça – Espaço Plínio Marcos, no bairro de Pinheiros, celebrando as literaturas de Portugal e Brasil, em 14 de Dezembro de 2019, com as intervenções de Hélder Grau Santos (PT), Wagner Merije (BR-PT), Edson Lima (BR), Paulo Rafael (BR), entre outros escritores, músicos e convidados presentes. Em 17 de Dezembro de 2019 teve lugar uma apresentação em Belo Horizonte, na Livraria do Belas, com presença do autor Hélder Grau Santos, intervenções de Ana Elisa Ribeiro (BR), Wagner Merije, Rômulo Garcias (BR), com participação especial do Cônsul de Portugal, Dr. Rui Almeida.

Em Portugal para breve serão anunciados datas de apresentações.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Os Segundos Nomes
Autor: Anthony Clown
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 218
ISBN: 978-85-92552-21-3
Depósito legal: 463192/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/os-segundos-nomes
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

SOBRE O AUTOR

Foto: Wagner Merije
Foto: Wagner Merije

 

Anthony Clown não existe, literalmente, mas coexiste com os sonhos e com alguns subentendimentos. Hélder Santos, criador deste e outros heterónimos, como Grau, Poeta G, O Urso e Asa de Borboleta, é escritor, poeta, músico e professor, nascido em Coimbra, Portugal. Autor dos livros de poesia Aparato Nulo (edição de Autor, 1998), Agora que chegaste, volume 1 (Edições Caixa de Sapatos, 2003), Agora que chegaste, volume 2 (Edições Caixa de Sapatos, 2004), Outra Distância (Edição Baú dos Sonhos, 2008); participação na antologia Coimbra em Palavras (Aquarela Brasileira Livros, 2018). Autor e co-autor dos textos para teatro: A Louquíssima Trindade (2002), L’Énfant Possible (2005), Pedra Preciosa I e II (2010-2013), O Sótão (2017). Na área musical apresentou os seguintes álbuns The Grau – Mui Solo (coletânea 1995-2015. Edições Pirata), The Grau!!! – Co-Existências (Edições Pirataº, 1999-2005), The Grauº – 13 (Edições Theº, 2013).

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são Incríveis! A gente ama!

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira

Origem e Ruína

Origem e ruína_capa 3dOrigem e Ruína, de Paulo Branco Lima, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, é um romance ambientado em Angola, Portugal e Venezuela

O ponto de vista original da história de Origem e Ruína centra-se nas peripécias de uma paixão vivida entre um angolano aventureiro e uma mulher-polícia portuguesa, relacionamento que é elevado à potência de cosmogonia pela arte de Paulo Branco Lima.

Começando em Angola, passando pelo drama dos retornados em Portugal e culminando num retrato minucioso da emigração lusófona na Venezuela, o autor, através de uma narrativa de raiz cíclica e de uma recriação do mito camoniano de Adamastor, conduz-nos numa viagem metafísica onde o poder de imaginação é o grande carburante. Nesta senda, e através de uma abordagem psico-social ainda pouco explorada pela literatura portuguesa, a leitura de Origem e Ruína projeta-se para paralelismos totalmente inesperados, num cruzamento brilhante entre realismo e dimensões cósmicas de beleza desconhecida. O resultado é um livro de imagens fortes e ritmo narrativo galopante, um autêntico “page turner”, sugerindo uma adaptação cinematográfica com toda a naturalidade .

Nas palavras do prefaciador Abílio Hernandez, “Paulo Branco Lima percorre os labirintos da memória e do passado para que no final da errância se possa produzir o equilíbrio e a catarse. Desta errância, não é só o itinerário que nos é oferecido, é também o retrato dos itinerantes, dos que vagueiam, isto é, dos que erram, perseguindo a felicidade. Um peregrinar tão longo faz do tempo o inimigo do peregrino, que não precisa de relógio para o medir”.

Como também destaca o tradutor Mário Gomes, doutorado em Teoria da Literatura pelas universidades de Bona e Florença, e professor visitante e leitor do DAAD (Serviço de Intercâmbio Académico Alemão) na Universidade de Concepción (Chile), “assim que tive Origem e Ruína em mãos, li-o de rajada. E concluí, com toda a objetividade do mundo, que tinha acabado de ler uma das propostas mais interessantes da literatura portuguesa: um romance a meio caminho entre o cut-up e a loucura, em que se entretecia a origem de tudo (e «tudo» neste caso é sinónimo de «Universo») com o quase-nada familiar: o macro mais macro com o micro mais micro. Explosões cósmicas, básculas de pesar camiões na Venezuela, bairros residenciais de Coimbra, tudo à mesma escala”.

A presente edição de Origem e Ruína, que foi primeiramente publicado em Portugal no ano de 2013, para seu lançamento no Brasil contou com o apoio da DGLAB – Direcão-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas.

Esta é uma oportunidade nova para os leitores conhecerem a obra de estreia de Paulo Branco Lima, que virou referência no âmbito das relações literárias entre África, América do Sul e Portugal. A reedição de Origem e Ruína conta com prefácio de Abílio Hernandez, docente de História e Estética do Cinema da Universidade de Coimbra, além de uma revisão atualizada e grafismo inovador. Trata-se de uma edição cuidada, consequência da estreita colaboração entre o escritor e a Aquarela Brasileira Livros, que abraçou esta aposta editorial, igualmente disponível no mercado português.

No Brasil, a reedição de Origem e Ruína já foi apresentada na Casa de Portugal, em São Paulo, no dia 10 de dezembro de 2019, com intervenções de José Santos (BR), Wagner Merije (BR-PT), Carlos Seabra (PT) e Hélder Grau Santos (PT), entre outros escritores e escritoras e convidados presentes. Em 17 de Dezembro de 2019 teve lugar uma apresentação em Belo Horizonte, na Livraria do Belas, com apresentação de Ana Elisa Ribeiro (BR), Wagner Merije, Rômulo Garcias (BR), Hélder Grau Santos, com participação especial do Cônsul de Portugal, Dr. Rui Almeida.

Em Portugal para breve serão anunciados datas de apresentações.

 

SOBRE O AUTOR
Paulo Branco Lima é escritor, ator, performer, investigador literário e produtor cultural. Licenciado em Jornalismo e Mestre em Literatura de Língua Portuguesa pela Universidade de Coimbra, recentemente publicou os romances Peregrinação Crioula (Aquarela Brasileira Livros, 2019) – selecionado para o Prêmio Oceanos 2020 – e a segunda edição de Origem e Ruína (Aquarela Brasileira Livros, 2019). Enquanto autor, fomenta alicerces nas obras de William Faulkner, Camilo Castelo Branco, Pepetela, Vitorino Nemésio e Guimarães Rosa. Membro do Centro de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, é colaborador regular da Revista de Estudos Literários e das publicações angolanas O Chá e Jornal Cultura. O seu trabalho foi destacado por vários veículos de comunicação em Portugal e África. Saiba mais em RTP África Mar de Letras https://www.youtube.com/watch?v=4xh8XFspE1U&t=20s e também em https://www.youtube.com/watch?v=YN6Q9WVdG8w Na atualidade exerce funções de produtor executivo no equipamento cultural Convento São Francisco, em Coimbra.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Origem e Ruína
Autor: Paulo Branco Lima
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 140
ISBN: 978-85-92552-12-1
DL: 460652/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/origem-e-ruina
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

Conheça nosso catálogo em www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

Paulo_Branco_Lima 1 ©Miguel Von Driburg
Paulo_Branco_Lima 1 ©Miguel Von Driburg

Psyché e Hamlet vão para Hodiohill

Psyché e Hamlet_capa3d

Psyché e Hamlet vão para Hodiohill, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, é uma história de amor em meio ao caos

* Obra selecionada para o Prêmio Oceanos 2020

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill conta a história de duas almas sensíveis, P & H, que se conhecem num aeroporto, pouco antes de embarcarem para Hodiohill. Como muitos de nós, P & H tinham feito suas escolhas, todos nós fazemos escolhas, o difícil é conviver com elas. Mas os dois não seriam capazes de prever o que os esperava. Tudo o que se pode dizer é que Hodiohill talvez tenha sido o maior paraíso e o maior inferno que já se teve notícia.

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill é sobre seres suspensos, sem lugar para esconder a confusão de seus corações. É sobre um tempo e um lugar em decomposição. De um jeito ou de outro, as histórias de Hodiohill e das personagens que P & H vão encontrando pelo caminho estão entrelaçadas, em toda a sua glória, declínio e fascínio.

Esta é uma obra surpreendente que mistura memória, imaginação e crítica social com humor, amor e leveza em boas doses, um trabalho intelectual e literário que invoca saberes tão diferentes, mas complementares, como a política, a psicologia, a religião e a literatura.

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill aborda e questiona, entre muitos temas, o caos social, a violência, o autoritarismo, o impacto do colonialismo nas mentes, a xenofobia, o machismo, o patriarcalismo e os padrões de relacionamentos afetivos. Um livro para perguntar de onde vem o nosso ódio, com uma mensagem de que precisamos cuidar de nós e combatê-lo, mesmo que isso soe paradoxal.

A universalidade das ideias, das ações e das palavras apresentadas serão tão mais universais quanto mais as fizermos ecoar e atuar no nosso mundo. Não basta dizer que a arte e, em particular, a literatura podem contribuir para a defesa da liberdade, da igualdade, dos direitos humanos e do meio ambiente. Os grandes problemas do nosso tempo, como já dizia Saramago, são também as grandes questões da (grande) literatura e da (grande) arte contemporâneas, que, de diferentes modos, se propõem (re)desenhar novos ou renovados paradigmas para o ser humano, dentro da (des)ordem da natureza e do ambiente.

Para o autor, citando Barthes, escrever é fazer-se o centro do processo de palavra, é efetuar a escritura afetando— se a si próprio, é fazer coincidir a ação e a afeição (…). O exercício da linguagem é uma forma de praticar o autoconhecimento e o alargamento do conhecimento do mundo.

Wagner Merije é autor de uma série de trabalhos diferentes e, ao mesmo tempo, em constante diálogo. Talvez esta seja uma palavra boa para descrever suas propostas literárias, artísticas e educativas: dialogar para compreender o outro, para reconstruir o mundo. Publicou os livros Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Mexidinho (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013, e Turnê do Encantamento (2009); organizou, editou e prefaciou mais de duas dezenas de livros, entre os quais estão obras de Fernando Pessoa, Camões, Camilo Pessanha e João José Cochofel, e títulos como Coimbra em palavras (2018), Coimbra em imagens (2019), São Paulo em palavras (2016), São Paulo em imagens (2017), Trinta Anos-Luz – Poetas celebram 30 anos de Psiu Poético (2016) e Pelas periferias do Brasil vol. 6 (2016); escreveu canções e peças de teatro; dirigiu filmes; trabalhou para jornais, revistas, radios, TVs e sites. Nesse percurso, já apresentou trabalhos em diversos países e foi agraciado com alguns prêmios. É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, autor de ensaios e artigos sobre literaturas de língua portuguesa, inglesa e grega. Psyché & Hamlet vão para Hodiohill é seu segundo romance.
Saiba mais em www.merije.com.br

DADOS DO LIVRO
Título: Psyché e Hamlet vão para Hodiohill
Autor: Wagner Merije
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 164
ISBN: 978-85-92552-20-6
DL: 461950/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/psyche-e-hamlet-vao-para-hodiohill
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

Nesta quarentena, faça o download do livro gratuitamente

Psyché e Hamlet_EBOOK

 

LANÇAMENTOS/APRESENTAÇÕES
LISBOA/PT – 23/11/19 – sábado – das 16h30 às 18h30 – Lugar Específico - Rua Actor Vale, nº 16 B

COIMBRA/PT – 26/11/19 – terça-feira – das 20h às 22h – Liquidâmbar – Praça da República nº 28 1º

PORTO/PT – 28/11/19 – quinta-feira – das 21h às 23h – Unicepe – Praça de Carlos Alberto, 128-A

SÃO PAULO/SP – 10/12/19 – terça-feira – das 19h às 21h – Casa de Portugal -Av. da Liberdade, 602 – Bairro da Liberdade

SÃO PAULO/SP – 14/12/19 – sábado – das 13h às 15h – O Autor na Praça – Espaço Plínio Marcos – Praça Benedito Calixto – Vila Madalena

BELO HORIZONTE/MG – 17/12/19 – terça-feira – das 19h às 21 – Livraria do Belas – Rua Gonçalves Dias, 1581 – Lourdes

BELO HORIZONTE/MG – 28/01/20 – terça-feira – das 19h às 21h – Asa de Papel Café & Arte - Rua Piauí, 631 – Santa Efigênia

SÃO PAULO/SP – 04/02/20 – terça-feira – das 19h às 21h – Patuscada Livraria, Bar & Café – Rua Luís Murat, 40 – Vila Madalena

*Programação sujeita a mudanças

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

Brasil – Portugal

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

Peregrinação Crioula na Ler Devagar, Lisboa

convite_lisboa

Alô Lisboa, terra iluminada, estamos chegando com o lançamento desse livro incrível!

Saiba mais sobre o livro aqui

Cidade em transe: lançamento no Maranhão

O lançamento do livro “Cidade em transe” (Aquarela Brasileira Livros, 2014), de Wagner Merije, em São Luís, capital do Maranhão, foi um sucesso de crítica e público.

Os dois principais jornais do estado (O Estado do Maranhão e O Imparcial) deram página inteira para o livro e o autor e as vendas foram bem expressivas.

Maranhão_recortado Cidade em transe_O Imparcial_210616